Em geral, a virtualização de ambientes é uma técnica que adiciona uma camada de abstração sobre um ou mais recursos de computador.

O que significa virtualização de plataformas?

A virtualização de plataformas significa simular um sistema de computador inteiro para executar várias instâncias de sistemas operacionais simultaneamente em uma única máquina física.

Nessa configuração, há um monitor de máquina virtual (VMM), ou hypervisor, que tem controle total dos recursos de hardware da máquina física. Os sistemas operacionais convidados são executados em máquinas virtuais, que são gerenciadas pelo VMM. A virtualização de ambiente envolve a simulação de uma ou mais máquinas virtuais, bem como as conexões de rede entre elas.

Historia da virtualização de ambientes e seus benefícios

Virtualização de ambientes

hnz-consultoria-e-treinamentos-blog-historia-da virtualizacao-de-ambientes-e-seus-beneficios

A virtualização foi originalmente desenvolvida pela IBM na década de 1960 como uma alternativa para a criação de um sistema operacional multitarefa de compartilhamento de tempo. A principal aplicação para a tecnologia de virtualização é a consolidação de servidores. Na verdade, houve um período em que a IBM evitou recomendar a sua família VM aos seus clientes, uma vez que resultaria em vendas de hardware mais baixas. No entanto, existem muitas outras aplicações desta poderosa tecnologia. Ele pode ser usado em uma ampla gama de situações, como a simulação de sistemas de computador históricos em hardware moderno (uma prática comum na comunidade de jogos retro), ou como um mecanismo para apoiar a recuperação de desastres, ou como parte de um sistema de gerenciamento de configuração para Suporte à implantação de software.

A característica de definição da computação em nuvem é que os recursos de computação que você usa, como CPU, memória, armazenamento e assim por diante, podem se expandir e contratar para atender às suas necessidades e você paga apenas pelo que usa. A computação em nuvem pode se referir tanto aos serviços de software como aos ambientes de hardware e software em que eles são executados.

Aqui discutiremos o uso de virtualização de ambiente para ajudar a criar um processo controlado, confiável e passível de repetição para implantações e entregas.

A virtualização pode ajudar a reduzir o tempo gasto na implantação e os riscos associados a ela de vários modos. O uso de maquinas virtuais na implantação é uma enorme ajuda para conseguir gerência de configuração eficaz vertical e horizontalmente em seus sistemas.

Em especial, o uso de virtualização traz os seguintes benefícios:

Resposta rápida para mudanças de requisitos

Precisa de um novo ambiente de testes? Uma máquina virtual pode ser provisionada em segundos sem qualquer custo, ao contrário de dias ou semanas para um novo ambiente físico. Obviamente, você não pode rodar infinitos VMs em um único hospedeiro – mas o uso de virtualização pode, em algumas situações, dissociar a necessidade de compra de hardware do ciclo de vida dos ambientes em que rodam.

Consolidação

Quando organizações ainda são imaturas, cada time provavelmente tem seus próprios ambientes de IC e de teste em máquinas físicas em suas mesas. O uso de virtualização torna fácil consolidar essa infraestrutura, de modo que ela possa ser oferecida como serviço para os times de desenvolvimento. Também é mais eficiente em termos de uso de hardware.

Padronização

Diferenças funcionais entre componentes e subsistemas da aplicação não o forçam mais a manter configurações distintas de hardware, cada uma com suas especificações. Virtualização também permite que você padronize uma única configuração de hardware para ambientes físicos que rodam vários ambientes e plataformas virtuais heterogêneos.

Facilidade de manutenção de baselines

Você pode manter uma biblioteca de imagens de baselines – sistemas operacionais e plataformas de aplicações – ou mesmo ambientes, e ser capaz de implantá-los em um cluster apertando um único botão.

Utilidades da Virtualização

  • O uso de virtualização oferece um simples mecanismo para criar baselines de ambientes nos quais seu sistema opera. Você pode criar e refinar os ambientes que hospedam suas aplicações como servidores virtuais e, quando estiver satisfeito com o resultado, salvá-los como imagens e configuração, e proceder com a criação de quantas copias desejar, sabendo que serão clones fieis do original.
  • Já que as imagens dos servidores a partir das quais seus servidores são construídos são armazenadas como uma biblioteca e podem ser associa- das com uma versão especifica de sua aplicação, é fácil reverter qualquer ambiente de volta ao seu estado anterior – não somente a aplicação, mas qualquer aspecto do software que foi implantado.
  • O uso de servidores virtuais como baselines torna fácil criar copias do ambiente de produção, mesmo que ele consista em vários servidores, e reproduzi-los para fins de teste. Softwares modernos de virtualização oferecem um alto grau de flexibilidade e permitem que alguns aspectos do sistema, como a topologia de rede, sejam controlados programaticamente.
  • Essa é a última parte do quebra-cabeça que permite a existência real de implantações de qualquer versão da aplicação com o apertar de um botão. Se você precisar de um novo ambiente para demonstrar as últimas funcionalidades implementadas para um cliente em potencial, pode criar um ambiente pela manhã, fazer a demonstração durante o almoço e removê-lo à tarde.

Gostou desse artigo e quer ficar por dentro de todos os conteúdos da HNZ? Clique aqui e se inscreva na nossa newsletter! O conhecimento está a um passo de você.

2 Comments

Leave a Reply