Com certeza Patrick Debous nem imaginou o que iria se transformar essa sua iniciativa de criar o evento DevOpsDays em 2009. Ele viu algo de importante na cooperação de Dev e Ops no trabalho apresentado por John Allspaw e Paul Hammond na Velocity. Desde aquele momento até agora, este movimento chamado DevOps se tornou um dos principais paradigmas de transformação da TI e principalmente do negócio. Se toda empresa é uma organização de TI, saiba ela ou não, isso nos indica a importância de fazer uma boa gestão de TI, implica também bons resultados para o negócio.

DevOps + Lean

Lean e DevOps

hnz-blog-lean-e-devops-como-lean-entra-nas-praticas-devops-lean-e-devops

Esta cooperação inicial vista com impressionantes resultados de mais de 10 implantações por dia, se transformou em uma colaboração da TI e negócios para atender o cliente. Esta talvez seja uma mudança radical na maneira de trabalhar, que permitiu que as organizações consigam um posicionamento ativo no mercado altamente competitivo. É por isso que neste arranjo, estamos indo muito além da técnica, e é aí que entra o movimento Lean.

Lean

O movimento Lean nasce no Sistema Toyota de Produção, que estabelece uma riqueza conceitual focada na alta qualidade, na eliminação contínua de desperdícios e no alinhamento de toda a organização para a entrega de valor ao cliente. Se bem que estes conceitos e práticas estão focados na manufatura, se aplicados ao trabalho da TI, orientam claramente o que deve ser realizado na adoção do DevOps.

Conceito CAMS

O que faltava ao conceito CAMS (Culture, Automation, Measurement and Sharing) de Damon Edwards e John Willis, autores do famoso Podcast DevOps Cafe, era a base conceitual do Lean, que posteriormente Jez Humble (autor do livro Entrega Contínua) complementam integrando um embasamento riquíssimo ao DevOps: sendo assim se estabelecem os pilares do DevOps com CALMS.

LeanIT

O Lean agora aplicado à TI (LeanIT) estabelece o fluxo de uma peça (que se materializa no Pipeline de Implantação em suas diferentes etapas executadas por seus especialistas), mapeamento do fluxo de valor (foco nos resultado com aumento da eficiência e eficácia), visibilidade do trabalho em andamento (o kanban é uma ferramenta de gestão importantíssima para engajar equipes, tratar desperdícios, criar transparência e confiança, é um instrumento de mudança cultural estimulando colaboração), diminuição do tamanho da entrega (descolar a release do deply permitindo fluir de maneira mais rápida, estável e segura), aumento da qualidade (aumentando o uso de disciplinas e testes automatizados), implantação do sistema puxado (que permite focar nas prioridades do negócio no fluxo contínuo de uma peça menor), corda andon (resolução imediata dos problemas com a orquestração das equipes responsáveis, usando aglomeração e alta responsabilidade frente a falta de qualidade e desperdícios),  poka-yoke (sistema a prova de falha, automação, monitoração, resiliência),  ToC (teoria das restrições nos ajuda a equacionar o fluxo destacando os gargalos que precisam ser abordados como estratégia de otimização) e assim por diante.

Conclusão

O Lean proporciona uma riqueza conceitual, nos direciona para “o que” precisa ser feito de maneira muito embaçada e estruturada. Por isso é tão importante olhar na adoção do DevOps com o Lean como direcionamento.

Artigos relacionados:

Como criar engajamento entre Dev e Ops?

Adaptando as práticas ITSM com Lean e métodos ágeis

Leave a Reply