Acredito que esteja mais ou menos claro, que um dos pilares importantes para a adoção do DevOps é providenciar uma cultura organizacional compatível com os princípios do DevOps. Muito tem se comentado da Cultura DevOps como sendo um conjunto de elementos ou características bastante diferentes do modelo tradicional, mas ainda, bastante confuso de entender e aplicar. Este pequeno artigo está direcionado a tentar formatar o que é essa cultura tão mencionada em DevOps.  Para isso, precisamos entender o que é DevOps, como se constitui e talvez, mais importante ainda, quais os valores e o porquê da sua adoção.

O que é e quais são os benefícios da cultura DevOps?

hnz-consultoria-e-treinamentos-blog-o-que-e-e-quais-sao-os-beneficios-da-cultura-devops

DevOps nasce ao observar os resultados impressionantes de uma articulação colaborativa da TI, entre Desenvolvedores e profissionais de Operação. Este modelo colaborativo que em princípio, organiza a TI de maneira íntegra e não mais fracionada, trouxe um novo posicionamento da TI com o negócio. É esta, com certeza, a parte mais importante na revolução do DevOps, atender e engajar a equipe no contexto que permita ao negócio alavancar suas prioridades de maneira estável, confiável e rápida. Este engajamento, empoderamento, esta participação ativa e responsável da TI enriquece o negócio para atender em uma real entrega de valor ao cliente dando um verdadeiro sentido ao trabalho das equipes, agora articuladas para serem realmente eficientes em sua ação.

Se esse é o objetivo do DevOps, focar em um trabalho extremamente estável, confiável, eficiente e assim, direcionar os esforços do negócio para ser cada vez mais eficaz, estamos precisando ir além da técnica para conseguir olhar para a maneira como trabalhamos, como nos posicionamos frente aos problemas, desafios e oportunidades. É aqui que entra a cultura.

Assim, podemos observar que se entendemos a cultura como um conjunto de comportamentos e atitudes de um grupo de pessoas, uma maneira particular de se relacionar e compartilhar suas ações, sustentadas em crenças, valores, costumes, muitas vezes, direcionadas por elementos tácitos, que formatam a maneira de agir frente ao seu entorno. Para as organizações podemos defini-la como padrão de resposta frente a problemas e oportunidades. Mas que tipo de respostas de comportamentos o DevOps define?

Para estabilizar o processo de forma íntegra, todos os interessados devem participar ativamente nas melhorias, criticando em forma construtiva, sugerindo e se apropriando das soluções de maneira a criar tanto um verdadeiro sentido as ações como um engajamento que os responsabilize tanto da sua implementação como das consequências. Sabemos que a linha de comando e controle precisa mudar para um ambiente de maior confiança, transparência e colaboração. É por isso que se deve providenciar um ambiente livre de culpa, não mais para focar em pessoas que cometem erros e orientar a fúria da solução à troca destes profissionais e sim a um ambiente que permite refletir sobre a causa raiz do problema para realmente evitar sua exposição.

É lógico que este modelo de comportamento exige coragem para mudar e eventualmente se expor frente a um modo tradicional de agir frente aos problemas. Por isso a constituição de equipes multidisciplinares providencia ambientes mais efetivos de colaboração. Se as equipes são pequenas, se estimula uma real participação dos envolvidos. A composição multidisciplinar também ajuda a se apropriar das consequências da má-qualidade.  Neste ponto a qualidade passa a ser fundamental, e este é mais um componente fundamental da cultura, uma cultura que olha para os desperdícios de maneira a se responsabilizar por sua diminuição, não adiando decisões importante que poderão futuramente comprometer o trabalho.

Conclusão

Assim, é importante que exista um fluxo de atividades que rapidamente disponibilizam soluções aos clientes de maneira estável. Neste fluxo há um claro mapeamento das ações que envolvem todos os profissionais em seus diferentes papéis. Isso é representado no fluxo de uma peça, que são ações o suficientemente pequenas que não criem quase diferencias com a versão anterior em produção. Desta maneira há uma nova forma articulada de trabalhar, de maneira orquestrada e sincronizada em relação ao trabalho de todo mundo. Assim, a automação é uma ferramenta importante para evitar exposições da execução manual, estabiliza e equaciona os esforços, evitando gargalos, esperas e retrabalho. Por isso a importância das disciplinas do DevOps: a Integração Contínua para Desenvolvedores (contribuindo com pequenas contribuições a cada commit), Entrega Contínua para Releases (que aliás desaparecem no fluxo de deploy) e Implantação e Operação Contínua para Operações (com auto recuperação frente a falhas). Por esta razão é necessário planejar efetivamente os benefícios das mudanças em processos e procedimentos para deixar os processos e procedimentos automatizados mais enxutos e alinhados às disciplinas adotadas na entrega valor.

Leave a Reply