Em quase todas as organizações de TI, há um conflito inerente entre o Desenvolvimento e as Operações de TI, que cria um espiral descendente, resultando em um tempo cada vez mais lento de novos produtos e recursos, redução na qualidade, interrupções maiores e, o pior de tudo, – quantidade crescente de dívida técnica.

O termo “dívida técnica” foi criado pela primeira vez por Ward Cunningham. Análoga à dívida financeira, a dívida técnica descreve como as decisões que tomamos levam a problemas que se tornam cada vez mais difíceis de consertar com o tempo, reduzindo continuamente nossas opções disponíveis no futuro – mesmo quando tomadas com prudência, ainda geramos juros.

Um fator que contribui para isso são os objetivos frequentemente concorrentes de Desenvolvimento e Operações de TI. As organizações de TI são responsáveis por muitas coisas. Entre eles estão os dois objetivos a seguir, que devem ser perseguidos simultaneamente:

  • Responder ao cenário competitivo em rápida mudança
  • Fornecer serviço estável, confiável e seguro para o cliente

Frequentemente, o Desenvolvimento assumirá a responsabilidade de responder a mudanças no mercado, implementando recursos e mudanças na produção o mais rápido possível. As operações de TI serão responsáveis por fornecer aos clientes um serviço de TI estável, confiável e seguro, dificultando ou mesmo impossibilitando a introdução de alterações na produção que possam comprometer a produção. Configurado desta forma, o Desenvolvimento e as Operações de TI têm metas e incentivos diametralmente opostos.

O Dr. Eliyahu M. Goldratt, um dos fundadores do movimento de gerenciamento de manufatura, chamou esses tipos de configuração de “conflito central e crônico” – quando medições organizacionais e incentivos em diferentes silos impedem a realização de metas globais e organizacionais.

Esse conflito cria uma espiral descendente tão poderosa que impede a obtenção dos resultados desejados, dentro e fora da organização de TI e geralmente colocam os profissionais de tecnologia em situações que levam à má qualidade do software e dos serviços e aos resultados ruins dos clientes, bem como a necessidade diária de soluções alternativas, combate a incêndios e heroísmo, seja em

Gerenciamento de Produto, Desenvolvimento, Controle de Qualidade, Operações de TI ou Segurança da Informação.

Espiral para baixo em três atos

Espiral descendente em TI

hnz-consultoria-e-treinamentos-blog-quais-sao-as-diferencas-entre-empresas-saas-e-softwares-convencionais

A espiral descendente em TI tem três atos que provavelmente são familiares para a maioria dos profissionais de TI.

Primeiro ato

O primeiro ato começa nas operações de TI, onde a meta é manter os aplicativos e a infraestrutura em execução para que a organização possa agregar valor aos clientes.

Em nosso trabalho diário, muitos dos problemas se devem a aplicativos e infraestrutura que são complexos, mal documentados e incrivelmente frágeis. Essa é a dívida técnica e as soluções diárias com as quais convivemos constantemente, sempre prometendo corrigir a bagunça quando tivermos um pouco mais de tempo. Mas esse tempo nunca chega.

De forma alarmante, nossos artefatos mais frágeis suportam nossos mais importantes sistemas geradores de receita ou nossos projetos mais críticos. Em outras palavras, os sistemas mais propensos ao fracasso são também os mais importantes e estão no epicentro de nossas mudanças mais urgentes.

Quando essas mudanças falham, elas colocam em risco nossas promessas organizacionais mais importantes, como disponibilidade para os clientes, metas de receita, segurança dos dados do cliente, relatórios financeiros precisos e assim por diante.

Segundo ato

O segundo ato começa quando alguém tem que compensar a promessa quebrada mais recente – pode ser um gerente de produto prometendo um recurso maior e mais arrojado para deslumbrar os clientes ou um executivo de negócios estabelecendo uma meta de receita ainda maior. Então, alheios ao que a tecnologia pode ou não fazer, ou quais fatores levaram a perder nosso compromisso anterior, eles comprometem a organização de tecnologia a cumprir essa nova promessa.

Como resultado, a Desenvolvimento é encarregada de outro projeto urgente que inevitavelmente requer a solução de novos desafios técnicos e cortes para cumprir a data de lançamento prometida, aumentando ainda mais nossa dívida técnica – feita, é claro, com a promessa de que consertaremos qualquer problema resultante. problemas quando temos um pouco mais de tempo.

Terceiro e último ato

Isso prepara o cenário para o terceiro e último ato, onde tudo se torna um pouco mais difícil, pouco a pouco – todo mundo fica um pouco mais ocupado, o trabalho leva um pouco mais de tempo, as comunicações ficam um pouco mais lentas e as filas de trabalho ficam um pouco mais longas. Nosso trabalho torna-se mais estreitamente acoplado, ações menores causam falhas maiores e nos tornamos mais medrosos e menos tolerantes a mudanças. O trabalho requer mais comunicação, coordenação e aprovações; as equipes devem esperar um pouco mais para que seu trabalho dependente seja realizado; e nossa qualidade continua piorando. As rodas começam a ser mais lentas e exigem mais esforço para continuar girando.

Todo esse cenário acaba deixando algumas sequelas graves na organização

  • Quase todas atividades críticas da empresa requerem muito esforço manual e muitas transferências, deixando a área sempre em espera;
  • A qualidade do trabalho, especialmente nas implantações de produção, é problemática e caótica;
  • Os testes de segurança conseguem ser aplicados apenas no final do projeto (tarde demais para corrigir qualquer problema encontrado);
  • A área de desenvolvimento e de operações tornam-se adversários;
  • Tempos de espera extremamente longos para qualquer coisa;
  • E por fim, impactos negativos para nossos clientes e nossos negócios.

Ou seja, estou cada vez pior, pior, pior e chegará um dia que a empresa entrará em colapso!

Como resolver e não deixar a sua empresa entrar em uma espiral descendente? A implantação DevOps, através de suas práticas, visa resolver todos esses problemas e tornar sua TI ágil, eficaz e com qualidade na entrega.

Quer entender um pouco mais como isso é possível? Clique aqui e acesse o nosso curso gratuito O que é DevOps! Estamos te esperando.

HNZ

HNZ

Leave a Reply